Data: 11/07/2017
Mês: Julho
Ano: 2017
Em maio de 2017, o stock de crédito às Sociedades não Financeiras registou um valor de 87,4 mil milhões de euros, diminuindo 215 milhões de euros em relação ao mês anterior e registando uma taxa de variação anual (TVA) de -1,9%.
 
O stock de crédito a Particulares registou um valor de 116,2 mil milhões de euros (-1,6%, TVA), diminuindo 226 milhões de euros em relação ao mês anterior.
 
 

i025607.jpg

 

 

i025608.jpg

 

Nota: A taxa de variação anual, utilizada pelo Banco Central Europeu e pelo Banco de Portugal no âmbito das Estatísticas Monetárias e Financeiras, é calculada com base na relação entre posições em fim de mês e transações mensais (i.e. variações de stock corrigidas de efeitos de reclassificações, taxa de câmbio, preços, abatimentos ao ativo e outras variações). A utilização de transações no cálculo da TVA permite, assim, uma análise mais correta da evolução dos empréstimos concedidos pelo setor financeiro ao longo do tempo, procurando refletir unicamente os efeitos relacionados com a concessão ou a amortização de empréstimos.

De acordo com a mesma fonte, em maio de 2017 o crédito vencido total, em percentagem do respetivo total do crédito concedido, foi de 8,30%, aumentando 0,02 p.p. face ao mês anterior. O crédito vencido em percentagem do crédito total concedido às Sociedades não Financeiras aumentou 0,06 p.p. de abril (14,78%) para maio (14,84%). O crédito vencido em percentagem do crédito total concedido aos Particulares fixou-se em 4,11% (4,10% no mês precedente).

 

i025609.jpg

 

O valor total dos novos empréstimos das Outras Instituições Financeiras Monetárias às Sociedades não Financeiras e Particulares foi de 3.981 milhões de euros no mês de maio de 2017, o que correspondeu a uma variação homóloga de -1,2% (mais 11,0 p.p. que a do mês anterior). O valor dos novos empréstimos às SNF registou neste mês uma variação homóloga de -10,8% (mais 9,9 p.p. que a do mês anterior) e o valor dos novos empréstimos aos Particulares acelerou (VH) em maio atingindo os 28,4% (mais 16,6 p.p. que em abril).

i025610.jpg

 

Documento Original PDF