Data: 14/11/2011
Mês: Novembro
Ano: 2011

No 3º trimestre de 2011, o Índice de Custo do Trabalho (ICT), excluindo a Administração Pública e corrigido dos dias úteis, registou uma taxa de variação homóloga de 1,0% (mais 1,6 p.p. do que a variação homóloga registada no 3º trimestre de 2010). Esta variação homóloga resultou de um aumento dos custos médios do trabalho (1,7%,VH) superior ao do número de horas efectivamente trabalhadas (0,7%,VH). 

Por sectores da actividade económica, verificou-se um acréscimo do ICT nas seguintes actividades: “Educação” (7,8%), ”Electricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio” (7,6%), “Actividades de saúde humana e apoio social” (5,8%), “Construção” (5,8%), “Alojamento e restauração” (4,2%) e “Comércio por grosso e a retalho” (2,1%). Face ao mesmo período, verificou-se um decréscimo homólogo do ICT nas actividades de “Indústrias extractivas” (-6,7%), "Captação, tratamento e distribuição de água, saneamento, gestão de resíduos e despoluição” (-4,6%), “Actividades financeiras e de seguros” (-2,5%), “Indústrias transformadoras” (-1,8%) e “Transportes e armazenagem” (-0,7%). 

Por regiões NUTS II, a Região Autónoma dos Açores, a região do Norte e a região de Lisboa apresentaram acréscimos homólogos do ICT superiores à média global (1,0%), de 3,7%, 3,4% e 2,1%, respectivamente. A Região Autónoma da Madeira verificou um acréscimo homólogo do ICT inferior à média global (0,8%). As Regiões do Alentejo, Centro e Algarve apresentaram decréscimos nas variações homólogas do ICT de -5,7%, -1,8% e -1,3%, respectivamente. 

Os dados disponíveis do Eurostat relativos ao 2º trimestre de 2011 mostram que, neste período, Portugal registou uma variação homóloga do ICT (-0,8%) inferior à da UE27 (3,4%).

i010525
(Gráficos: INE)

Documento Original PDF