Data: 16/11/2017
Mês: Novembro
Ano: 2017
O INE divulgou hoje a análise ao Comércio Internacional de Bens por características das empresas exportadoras/importadoras para o ano de 2016.
 
As 100 maiores empresas exportadoras e importadoras representam 41,9% das exportações de bens e as 100 maiores empresas importadoras representam 37,3% das importações de bens. Os níveis de concentração do valor transaccionado num número reduzido de empresas permaneceram significativos em 2016, mas diminuíram face ao ano anterior, quer nas exportações quer nas importações de bens. As 5 maiores empresas exportadoras de bens foram responsáveis por 13,3% do valor exportado (-2,6 p.p. face a 2015) e as 10 maiores por 18,2% (-2,6 p.p.), as 100 maiores por 41,9% (-1,8 p.p.) e as 500 maiores concentraram cerca de 2/3 do valor exportado (-0,1 p.p. que em 2015). No que respeita às importações de bens, em 2016, as 5 principais empresas importadoras concentraram 11,4% do valor transaccionado, as 10 maiores 15,5% (-2,4 p.p.), as 100 maiores 37,3% (-1,8 p.p.) e quase 2/3 das importações foram efectuadas pelas 500 maiores empresas 61,1% (-0,9 p.p.).

i026606.jpg

 

A maior parte das empresas continua a transacionar bens apenas com um país, mas as empresas com maior diversificação de mercados (pelo menos 20 países parceiros) asseguraram a maior parte do valor transacionado: 41,6% nas exportações e 25,9% nas importações.

Nas exportações, as empresas com pelo menos 50% das suas exportações direcionadas apenas para um mercado representaram 94,1% do total de empresas exportadoras e cerca de metade do valor exportado (50,4%). Face ao ano anterior, o peso destas empresas diminuiu ligeiramente em relação ao número de empresas, mas aumentou +2,0 p.p. em termos do valor exportado. Nas importações de bens, o domínio das empresas que transacionaram bens somente com 1 país parceiro foi ainda superior ao registado nas exportações. Em 2016, 86,9% das empresas importaram bens de um país (87,0% em 2015), tendo concentrado 10,3% do valor importado (+0,4 p.p. face a 2015). O maior peso que o principal país parceiro de Portugal, a Espanha, atingiu nas importações contribuiu para este predomínio (32,9% contra 25,9% nas exportações).

i026607.jpg

 

                   (Gráfico: INE)

i026608.jpg

 

                                                                                                                                          (Tabela: INE)

O INE inclui ainda uma análise específica sobre as transações comerciais de bens das “gazelas”, empresas jovens de elevado crescimento, em 2016. Segundo o INE, as “gazelas” ou empresas jovens de elevado crescimento, compreendem as empresas até 5 anos de idade com um crescimento médio anual superior a 10% ao longo de um período de 3 anos (sendo o crescimento médio anual medido em termos do número de pessoas ao serviço remuneradas)

Em 2016, das 471 empresas jovens de elevado crescimento, cerca de 60% tiveram transações de bens com o exterior: 110 eram empresas exportadoras e importadoras, 151 eram apenas importadoras e 18 apenas exportadoras. Nas exportações das “gazelas” evidencia-se uma maior diversificação nos mercados de destino que no conjunto das empresas exportadoras. Apesar destas empresas também terem exportado sobretudo para um país, mais de metade exportou bens para mais de um mercado.

i026609.jpg

 

                                                                                                                (Gráficos: INE)

Documento Original PDF