Data: 2022-04-14
Mês: Abril
Ano: 2022

A partir de 2022, o Boletim da Economia Portuguesa, elaborado em conjunto pelo GEE e pelo GPEARI, passa a ser divulgado com uma periodicidade trimestral. Esta edição do Boletim apresenta uma análise dos desenvolvimentos da economia portuguesa em 2021, nomeadamente:

- Em 2021, o PIB registou o crescimento mais elevado desde 1990. No entanto, o seu valor ainda se mantém abaixo do registado no período pré-pandémico.

- O crescimento económico foi acompanhado por uma evolução positiva do mercado de trabalho, tendo-se registado, em 2021, uma diminuição da população desempregada e, consequentemente, da taxa de desemprego.

- Desde o final de 2021, as pressões inflacionistas intensificaram-se, sobretudo devido à evolução dos preços dos produtos energéticos, tendo a inflação em Portugal atingido em março o valor mais elevado desde junho de 1994. No entanto, a taxa de inflação mantém-se inferior à registada na generalidade dos países da área do euro. A aceleração de preços na produção industrial tem sido mais acentuada do que nos preços no consumidor.

- O volume de exportações portuguesas recuperou em 2021, mas permanece ainda abaixo do nível pré-pandemia. Num contexto de perturbações nas cadeias de fornecimento globais, o crescimento das exportações de bens desacelerou a partir do segundo trimestre de 2021, enquanto as exportações de serviços aceleraram, sustentadas pela recuperação gradual no turismo.

- Num contexto de restrições significativas da atividade económica, os indicadores de dinamismo empresarial sinalizam uma tendência de recuperação em 2021, com uma redução do número de novos processos de insolvência, uma recuperação do investimento e da rendibilidade das sociedades não financeiras.

- Em 2021 verificou-se uma redução do défice orçamental para 2,8% do PIB (5,8% em 2020), resultado de um crescimento da receita superior ao da despesa, fruto da recuperação da atividade económica e do recebimento de fundos comunitários. Para o aumento da despesa contribuiu o aumento do emprego no sector público. O peso da dívida pública em percentagem do PIB diminuiu para 127,4%.

Destaca-se ainda o acompanhamento de políticas públicas económicas, através de uma análise de execução para 2020 e 2021, bem como de uma compilação de medidas de política implementadas nos primeiros três meses de 2022 por área de atuação.

Documento PDF